VASCO DA GAMA_NA_CASA_PORTUGUÊSA_TRÁS_OS_MONTES

Posté par goalexandre le 19 octobre 2008

boa tarde a todos

VASCO DA GAMA_NA_CASA_PORTUGUÊSA_TRÁS_OS_MONTES

quando o povo dançava e cantava  

 Image de prévisualisation YouTube

Publié dans Non classé, quem sommos nos | Pas de Commentaire »

MULHER SOCIALISTA SEGOLENE ROYAL A VOZ DA RAZAO E DA PAZ

Posté par goalexandre le 18 octobre 2008

BOA NOITE A TODOS  E A TODAS

ALDA  PEREIRA LEMAITRE MAIRE DE NOISY LE SEC  mulher  socialista  uma camarada 

corajosa  que foi  appoiada por segolene royal   gagnou a camara de noisy le sec  no departament 93 en seine saint denis .

segolene royal e tambem socialista   corajosa   esta  aqui a informar o povo  frances  afin  que  que sempre seija o povo que decide  de seu destino

viva o socialismo

video 1

http://www.dailymotion.com/video/k4GhwopldDunBCNWHP

 

video 2

http://www.dailymotion.com/video/k2QKw4dKqsUWTFNXAg

Publié dans Non classé, quem sommos nos | Pas de Commentaire »

UMA SOCIALISTA ALDA PEREIRA LEMAITRE MAIRE DE NOISY LE SEC

Posté par vivelesocialisme le 12 octobre 2008

   boa noite

 

http://www.noisylesec.net/index.php?id_rub=maire

VER A MAIS  AQUI

 http://www.portugalvivo.com/spip.php?article2913

Alda Pereira-Lemaître, candidate d'origine portugaise à la Mairie de Noisy-le-Sec

 

La socialiste Alda Pereira-Lemaître vient d’être officiellement investie à la tête d’une liste de la gauche plurielle pour reconquérir la ville de Noisy-le-Sec, actuellement administrée par Nicole Rivoire (UDF-Modem).


À la tête d’une équipe soutenue par le Parti Socialiste, les Verts, le Parti Radical de Gauche (PRG) et le Mouvement Républicain et Citoyen (MRC), la candidate d’origine portugaise a déclaré au LusoJornal vouloir placer la démocratie participative au coeur de l’action municipale.

Après qu’Elisabeth Guigou ait décliné l’invitation de certains poids lourds du département,Alda Pereira-Lemaître est apparue comme la candidate naturelle pour Noisy-le-Sec, commune de 40.000 habitants de Seine-Saint-Denis. « Elisabeth Guigou a toujours été contre le cumul des mandats. Par ailleurs, elle a fait part de sa volonté de faire monter les plus jeunes. Mais elle sera sur ma liste en position éligible », précise-t-elle.

Alors que les grandes lignes du projet ne devraient être dévoilées qu’à la fin de la semaine – après une réunion de concertation entre les diverses forces politiques –, on sait d’ores et déjà qu’Alda Pereira-Lemaître souhaite consulter les noiséens à propos du prolongement du tramway. Il s’agit là d’un sujet sensible qui a vraisemblablement fait basculer la municipalité à droite lors des dernières élections. « Je suis en faveur des transports publics, mais j’envisage toutes les possibilités. Je ne reste pas figée sur un tracé plus qu’un autre. Par contre, je souhaite que l’on utilise les meilleurs matériaux avec moins de nuisance pour la population. L’actuel tramway est déjà obsolète. Si je suis élue, cette matière fera l’objet d’une consultation citoyenne »,promet la candidate.

Par ailleurs, elle souhaite redynamiser les comités de quartier, créer une Maison des Parents et s’engage à respecter la parité dans toutes les structures de décision de la ville. Déjà abordée dans la rue par des électeurs portugais, elle ne met pas de côté la possibilité d’amorcer des contacts en vue d’un éventuel jumelage avec une ville de son pays d’origine.

Arrivée en France en mai 1968, à l’âge de trois ans, Alda Pereira vit quelques mois au bidonville de Nanterre, avant que la famille ne déménage en Seine-et-Marne (Villeparisis). Originaires de Tortosendo, un petit village à sept kilomètres de Covilhã, les Pereira émigrent pour des raisons économiques mais aussi politiques. « Je garde encore des souvenirs très marqués de cette époque. Une de mes tantes, dont le fiancé était mobilisé sur le front, fut internée par la PIDE (police politique) parce qu’elle avait pris position contre la guerre coloniale ». Dès le plus jeune âge, elle développe une certaine conscience politique. « En fait, je suis devenue adulte assez tôt, j’ai ressenti une espèce d’éveil citoyen.Quand j’étais enfant, j’en ai voulu à mes parents de ne pas être restés là-bas. Je considérais qu’ils étaient plus utiles au Portugal pour lutter contre la dictature. Avec le temps, j’ai compris leur démarche. Ils voulaient tout simplement nous préserver et nous assurer un meilleur avenir », estime-t-elle avec le recul.

La candidate reste très attachée à son pays d’origine, où elle passe deux semaines de vacances chaque année. « Je ressens le besoin de me ressourcer, de visiter la famille. Comment dire ? Les pastéis de nata et plein d’autres petites choses sont ma madeleine de Proust. J’ai besoin de cela ». Elle n’en n’oublie pas pour autant la dimension politique. « Quand je le peux, j’aime passer le 25 avril au Portugal.À l’occasion des 30 ans de la Révolution des OEillets, nous sommes allés à Coimbra avec les enfants. Ils étaient très émus. Aujourd’hui, ce sont eux qui réclament la double nationalité, qui ressentent ce besoin de parler la langue, de lire, de comprendre leur histoire ».

LusoJornalstylo dans quem sommos nos
auton3-bca4b

 

Alda Pereira-Lemaître, candidata de origem portuguesa à Câmara de Noisy-le-Sec

arton2914-9ce7c

A socialista Alda Pereira-Lemaître acabou de ser oficialmente investida no topo de uma lista da esquerda (« gauche plurielle ») para reconquistar a vila de Noisy-le-Sec, actualmente administrada por Nicole Rivoire (UDF-Modem).


 

Liderando uma equipa apoiada pelo Partido Socialista, os Verdes (« les Verts »), o Partido Radical de Esquerda (« Parti Radical de Gauche (PRG) ») e o Movimento Republicano e Citadão (« Mouvement Républicain et Citoyen (MRC) »), esta candidata de origem portuguesa declarou ao LusoJornal desejar colocar a democracia activa no centro da acção municipal.

Depois de Elisabeth Guigou ter recusado o convite de alguns cargos pesados do departamento, Alda Pereira-Lemaître surgiu como candidata para Noisy-le-Sec, uma freguesia de 40.000 habitantes de Seine-Saint-Denis.

«Elisabeth Guigou foi sempre contra a acumulação de mandatos. Todavia, manifestou o seu desejo de dar lugar aos mais jovens. Mas, ela encontra-se-á na minha lista numa posição eligível », salienta.

Enquanto as grandes linhas do projecto serão reveladas somente no final da semana – após uma reunião de concertação entre as diversas forças políticas – sabe-se contudo que Alda Pereira-Lemaître deseja consultar os habitantes de Noisy-le-Sec quanto ao prolongamento do eléctrico. Trata-se de um caso delicado que pelos vistos fez com que o município oscilasse para a direita nas últimas eleições. «Estou a favor dos transportes públicos mas tomo em consideração todas as possibilidades. Não me restrinjo a um traçado mais do que qualquer outro. Todavia, desejo que sejam utilizados os melhores materiais com menor transtorno para a população. O actual eléctrico já é obsoleto. Se for eleita, este assunto será sujeito a uma consulta citadã », promete a candidata. Aliás, deseja dinamizar novamente os comitês de bairro, criar uma Casa dos Pais e compromete-se a respeitar a paridade em todas as estruturas decisivas relativas à vila.

Tendo jà sido interpelada na rua por eleitores portugueses, não descarta a hipótese de estabelecer contactos para uma eventual geminação com uma vila ou cidade do seu país de origem.

Após a sua chegada à França, em Maio de 1968, com três anos de idade, Alda Pereira viveu alguns meses no bairro de lata de Nanterre, mesmo antes que a sua família se mudasse para Seine-et-Marne (Villeparisis). Originária de Tortosendo, uma aldeia a sete quilómetros da Covilhã, os Pereira emigraram por razões económicas e políticas. «Ainda tenho memórias muito vivas dessa época. Uma das minhas tias cujo noivo tinha sido chamado para prestar serviço no Ultramar, foi presa pela PIDE (polícia política) porque tinha manifestado-se contra a guerra colonial ». Desde muito jovem, desenvolveu uma certa consciência política. «Ora bem, tornei-me adulta muito cedo, sentindo uma espécie de despertar para a cidadania. Quando era ainda criança, sentia-me revoltada para com os meus pais por não terem permanecido em Portugal. Considerava a sua presença mais útil em Portugal a fim de combater a ditadura. Agora com o devido distanciamento, diz que com o passar do tempo, acabou por entender a atitude dos pais. « Queriam apenas preservar-nos e assegurar-nos um futuro melhor”.

Esta candidata permanece muito ligada ao seu pays de origem onde passa anualmente duas semanas de férias. «Sinto a necessidade de regressar às origens, visitar a família. Como é que hei-de explicar ? Os pastéis de nata e muitas outras coisas representam a minha madalena de Proust. Preciso disso». Porém, não olvida a dimensão política. « Sempre que posso, gosto de passar o 25 de Abril em Portugal. Na comemoração dos 30 anos da Revolução dos Cravos fomos à Coimbra com os nossos filhos. Ficaram muito comovidos. Hoje em dia, são eles que pedem a dupla nacionalidade, que sentem esta necessidade de falar o Português, de ler e de entender a sua história ».

LusoJornalstylo
auton3-bca4b

Publié dans quem sommos nos | Pas de Commentaire »

O ZE TIRA A MAO DA SAIA cançao video

Posté par vivelesocialisme le 12 octobre 2008

boa toda a todos

 

Image de prévisualisation YouTube

Publié dans Non classé | Pas de Commentaire »

viagem frança espagna e portugal

Posté par vivelesocialisme le 12 octobre 2008

bom dia a todos

 

primeira video  no meu blog

 Image de prévisualisation YouTube

Publié dans Non classé | Pas de Commentaire »

Ségolène Royal sur TF1: le « système Sarkozy est corrompu » (voir la vidéo)

Posté par goalexandre le 30 juin 2010

Image de prévisualisation YouTube

[gv data= »http://www.youtube.com/?v=object width= »640″ height= »385″>

 

Ségolène Royal s’adresse aux journalistes à Paris, le 9 décembre 2009.

Photo : Bertrand Guay/AFP

 

 

Ségolène Royal, ex-candidate PS à l’Elysée, interrogée sur l’affaire Bettencourt, où le nom du ministre Eric Woerth est cité, a affirmé mardi sur TF1 que le « système Sarkozy » était « corrompu ».

« Dans quel autre pays, un ministre serait encore en place dans les conditions que les Français connaissent aujourd’hui? », a-t-elle lancé en demandant la « transparence ».

« Il serait sommé de s’expliquer. Il serait au moins suspendu en attendant qu’une enquête impartiale ait lieu », a-t-elle poursuivi.

« Je demande une enquête impartiale et je demande ce qui se fait dans n’importe quelle autre démocratie », a insisté la présidente de la région Poitou-Charentes, évoquant « un effondrement des valeurs morales ».

« Le système Sarkozy aujourd’hui est corrompu », a-t-elle assuré.

« C’est un pouvoir qui mélange les biens privés et les biens publics », « c’est un pouvoir qui perd tout sens du bien commun » et « c’est un pouvoir qui profite d’une totale impunité », a-t-elle expliqué.

« C’est le pouvoir qui est corrompu », a-t-elle martelé. « C’est un pouvoir qui mélange la chose privée et chose publique ».

Nicolas Sarkozy « devrait donner l’exemple, comme l’a dit Dominique de Villepin, il doit renoncer à l’achat de son avion privé » de « 180 millions d’euros », a-t-elle affirmé, en allusion au fait que le chef de l’Etat comme le Premier ministre et ses ministre devraient disposer à l’automne d’un nouvel Airbus A-330 spécialement aménagé.

Le président de la République devrait également donner l’exemple en supprimant « le bouclier fiscal », a insisté Mme Royal.

Il faut que « les ministres reviennent à un niveau de rémunération d’avant son arrivée », « rétablir l’ordre républicain », « la République du respect », a-t-elle demandé.

« On doit servir et non pas se servir », a-t-elle assuré.

Pour Mme Royal, « les riches sont protégés par un ministre du Budget qui est de plus trésorier de l’UMP, il y a non seulement impunité totale, en plus il y a ce qu’on peut appeler un trafic de Légion d’honneur parce que les fraudeurs sont en plus récompensés par la Légion d’honneur ».

« Moi, je suis fille de militaire. Mon père a eu la Légion d’honneur parce qu’il a risqué sa vie sur les champs de bataille pour défendre la liberté des Français », a-t-elle dit, en allusion de la remise de cette décoration par le ministre Eric Woerth à Patrice de Maistre, conseiller en patrimoine de Liliane Bettencourt, et employeur de son épouse à l’époque.

« Lorsque je vois le pouvoir en place distribuer la Légion d’honneur à des fraudeurs fiscaux: c’est scandaleux et il est temps que ça cesse! », a-t-elle lancé.[gv data= »http://www.youtube.com/?v=object width= »640″ height= »385″>

 

Publié dans actualidades, meu canto, quem sommos nos, videos importantes | Pas de Commentaire »

partido socialista secçao de paris

Posté par goalexandre le 2 janvier 2010

boa tarde a todos e todas

 

os socialistas a paris e ile de france
 

http://psportuguesdeparis.vpweb.fr/de

Partido Socialista Português  - Secção de Paris

Paris é a terceira cidade de Portugal 

 

É por Paris ser a terceira cidade do Mundo onde residem mais Portugueses, e que muitos milhares são Socialistas, que a Secção de Paris do Partido Socialista Português decidiu abrir este site, para os informar e os acolher. Aqui saberão as últimas noticias e informações de politica geral, as novidades sobre os nossos trabalhos e projectos, à medida que estes forem avançando, bem como as datas das nossas reuniões e as moradas das reuniões públicas, para as quais estão desde já convidados.A cidadania e a política andam de mãos dadas e ambas fazem parte do dia a dia de cada cidadão. 

 

Esperamos o vosso contacto! 

Aguardamos a vossa visita!  

 

Mensagem do Secretário Coordenador da Secção de Paris:

 

partido socialista  secçao de paris  dans actualidades

 

Caros camaradas, caros amigos,

 

Já está, de 2009 não se fala mais, ou então será para lembrar tantas coisas que mais vale esquecer!

No entanto há que ter esperança e vontade, pois temos agora uma enorme oportunidade, (365 dias), de contribuir nas mudanças que entendemos ser as melhores para Portugal.

Para isso é simples: BASTA PARTICIPAR!

 

 dans cultura portuguesaQue 2010 seja par todos vós, vossas famílias e amigos o ano onde só tenham que gerir a Paz, o Amor e a Felicidade.

 

 

Aurélio Pinto, 1/01/2010

 

 

Vamos Ver: 

 

Como apoiar o PS

História do PS

Socialistas de Portugal e do Mundo

Site oficial do PS Português

História do25 de Abril de 1974

Comemorações do centenário de Manuel Tito de Morais

António Costa

Como aderir ao PS

Secção do ps francês de St. Denis 

Paris é a terceira cidade de Portugal 

 

É por Paris ser a terceira cidde do Mundo onde residem mais Portugueses, e que muitos milhares são Socialistas, que a Secção de Paris do Partido Socialista Português decidiu abrir este site, para os informar e os acolher. Aqui saberão as últimas noticias e informações de politica geral, as novidades sobre os nossos trabalhos e projectos, à medida que estes forem avançando, bem como as datas das nossas reuniões e as moradas das reuniões públicas, para as quais estão desde já convidados.A cidadania e a política andam de mãos dadas e ambas fazem parte do dia a dia de cada cidadão. 

 

Esperamos o vosso contacto! 

Aguardamos a vossa visita!  

 

Mensagem do Secretá

fault.html 

Publié dans actualidades, cultura portuguesa, Estatutos do Partido Socialista, formaçao militantes, meu canto, Non classé, quem sommos nos, videos importantes | Pas de Commentaire »

Feliz ano novo 2010 bonne année 2010

Posté par goalexandre le 2 janvier 2010

Image de prévisualisation YouTube

Publié dans actualidades, cultura portuguesa, em portugal, folclore nosso, meu canto, Non classé, portugal moderno, videos importantes | Pas de Commentaire »

Programa de Governo para as Comunidades Portuguesas

Posté par goalexandre le 2 janvier 2010

Partido Socialista Português  - Secção de Paris

Contacte-nos

 

        

      Escreva para:                              Telefone :06 25 19 06 99 

                                                                              01 42 00 70 21

        Aurélio Pinto

         PSP Paris

          201, rue de Belleville                     Ou para:

          75019, Paris – França                    psp09paris@free.fr 

 

Adira - Imprima a ficha de adesão e envie para a morada a cima indicada.

Programa de Governo para as Comunidades Portuguesas  dans actualidades            

 

Tome nota

 

Programa de Governo para as Comunidades Portuguesas 

 

Uma política estruturada, coerente e moderna para as Comunidades Portuguesas terá de colocar como prioridade a necessidade de contribuir para a valorização do estatuto social, económico e cultural dos cidadãos portugueses residentes fora de Portugal. Sob o primado da igualdade de direitos e deveres entre todos os portugueses importará assegurar aos nossos concidadãos a residirem fora de Portugal que o seu país os não abandona e lhes reconhece o seu importante papel na difusão da língua, da cultura e demais valores e referências portuguesas. Por isso, se justificam plenamente todos os esforços para melhorar o funcionamento administrativo das estruturas do Estado no exterior, modernizando e desburocratizando os serviços consulares, subordinando-os a uma estrita lógica do serviço público, para melhor servir os utentes dos consulados.

Com o envelhecimento das primeiras gerações, torna-se particularmente importante atender aos problemas relacionados com fenómenos de exclusão social e de pobreza, bem como, com os demais problemas de natureza social que se têm vindo a agravar nos últimos anos.

Aprofundar a cidadania, melhorar as ligações a Portugal e dar mais atenção ao movimento associativo, sãos vectores relevantes desta nova política, mais ousada e ambiciosa para as Comunidades Portuguesas.  

 

VALORIZAR AS NOSSAS COMUNIDADES

 

Avalorização das nossas comunidades reclama uma aposta mais decidida na elevação do respectivo nível sócio-profissional e educativo. Nesse sentido o Governo irá:

 

Desenvolver iniciativas que visem a valorização das Comunidades Portuguesas, no sentido da promoção do seu estatuto sócio-profissional, do aumento dos respectivos níveis de escolaridade e formação;

Estimular uma melhor integração nas sociedades de acolhimento, nomeadamente através duma mais activa intervenção cívica e democrática, incentivando o uso e o acesso à língua e cultura portuguesas, como elementos estruturantes do reforço dos vínculos de identidade cultural e afectiva ao nosso país;

Impulsionar o Programa Estagiar em Portugal e outros mecanismos similares que promovam uma maior ligação dos lusodescendentes à realidade nacional; Mobilizar para a inserção da língua e cultura portuguesas nos programas curriculares dos países de acolhimento;

Reestruturar a orgânica do Ensino de Português no Estrangeiro, em ordem à racionalização dos recursos humanos e financeiros disponíveis, com vista à melhoria sensível da eficácia do sistema, privilegiando a qualidade técnico-pedagógica, numa perspectiva do sentido público;

Recorrer às tecnologias de informação e de comunicação que viabilizam o ensino acompanhado à distância, como alternativa mais acessível e consistentes as limitações do actual sistema de ensino;

Reafirmar a certificação dos cursos de língua portuguesa, através de diplomas legais, em ordem a convertê-los em qualificados instrumentos de valorização académica e profissional;

Utilizar a RTP-I, em parceria com instituições académicas portuguesas, como suporte do ensino da língua e cultura portuguesas no estrangeiro

Fomentar o associativismo como elemento de promoção cívica e cultural, contribuindo para uma maior inserção das associações portuguesas no estrangeiro na vida social dos países de acolhimento, como factor de intervenção pública no seio dessas sociedades

Encarar a actividade empresarial desenvolvida no seio das Comunidades Portuguesas numa perspectiva estratégica de parcerias com o sistema empresarial português e, para tal, melhorar a informação sobre oportunidades de negócio, especificidades jurídicas envolventes, bases financeiras e programas de incentivos aplicáveis;

Intervir no sentido da eliminação dos casos de dupla tributação que ainda se verificam. 

 

EFICÁCIA ADMINISTRATIVA

 

A modernização consular focalizada no estabelecimento de padrões modernos de atendimento consular, pautados pela agilidade e eficácia nos procedimentos e por uma lógica de serviço público, constitui um dos aspectos essenciais que melhor poderão potenciar a ligação dos nossos compatriotas a Portugal. Numa era em que as tecnologias de informação constituem parte determinante nas relações entre cidadãos e administração pública, importará tirar, por isso, o máximo aproveitamento das suas potencialidades. Assim o Governo do PS irá:

 

Desenvolver medidas de desburocratização de procedimentos administrativos, simplificando os actos consulares, promovendo a melhoria do funcionamento e a modernização e racionalização da rede consular, designadamente pelo recurso intensivo às tecnologias de informação, em ordem à criação de uma plataforma tecnológica que permita que todos os actos consulares não presenciais possam vir a ser efectuados sem implicar a deslocação física a qualquer posto consular;

Melhorar as ligações aos serviços centrais para obtenção de documentos em tempo útil;

Reforçar as acções de formação e actualização para funcionários consulares Adequar as modalidades de atendimento consular as necessidades especificas da comunidade de utentes;

 Institucionalizar o «Gabinete de Emergência» de forma a responder com prontidão às situações que carecem de apoio urgente. 

 

REFORCAR AS LIGAÇÕES A PORTUGAL

 

O reforço da ligação a Portugal constitui factor essencial para que os nossos compatriotas se possam rever nas raízes, na história e cultura do país. A valorização dos que tiveram de partir, dos lusodescendentes e das respectivas actividades — em muitos casos a relevarem apreciável valor socio-económico — constitui-se em fundamento relevante para que os portugueses possam reconhecer o mérito e importância das Comunidades Portuguesas. Assim, um futuro Governo do PS irá:

 

 Melhorar a informação sobre equivalências, cursos, bolsas de estudo e oportunidades de emprego em Portugal;

 Difundir em Portugal os exemplos mais marcantes de sucesso de nacionais portugueses oriundos das comunidades, nos domínios da política, cultura, ciência, desporto, espectáculo e economia;

Fomentaruma ligação estruturada com os eleitos, cientistas, artistas, empresários e demais personalidades relevantes das nossas comunidades;

Criar concursos para jovens criadores das comunidades nos domínios das artes e das letras;

Recriaro Premio de Jornalismo das Comunidades Portuguesas;

Restabelecerum portal interactivo que sustente uma ligação dinâmica com e entre os jovens lusodescendentes; 

 

MELHORAR A INTERVENÇÃO SOCIAL

 

Melhorar a intervenção social será uma prioridade no que concerne às políticas dirigidas às nossas comunidades. Sobretudo, tendo em conta as situações recorrentes de exclusão social com que se confrontam alguns dos nossos compatriotas que emigraram nos anos cinquenta e sessenta, nomeadamente para países onde os mecanismos de protecção social são praticamente inexistentes. Assim, um Governo do PS irá:

 

 Aperfeiçoar os programas ASIC e ASEC;

 Melhorara intervenção social dos consulados no âmbito da prevenção e nos casos de emergência;- Aprofundar a cooperação com as autoridades locais e ONG para melhorar o apoio e protecção social;

Melhorar os esquemas de apoio jurídico disponíveis para os utentes consulares sobre direitos dos nossos concidadãos nos países do acolhimento, nos casos de reforma, desemprego, doença, invalidez, velhice, etc….

Aplicar o Regulamento comunitário 118/97 do Conselho de 2 de Dezembro de 1996, para permitir aos ex-militares sem regime contributivo em Portugal estarem registados para efeitos de abertura do seu processo de contagem do tempo dos serviço militar para efeitos de reforma nos países de acolhimento, através do formulário E-205. 

 

DAR ATENÇÃO AO MOVIMENTO ASSOCIATIVO

 

O movimento associativo tem grande importância enquanto factor do apoio e de coesão das nossas comunidades, devendo por isso merecer todo o reconhecimento pelo papel relevante que desempenha. Um futuro Governo do PS irá:- Desenvolver um novo modelo do apoio mais criativo e eficaz ao associativismo das comunidades;

 

Promoveracções de formação dos dirigentes associativos;

Integrar a rede do associativismo das comunidades nas acções de divulgação e promoção cultural do nosso país; 

 

APROFUNDAR A CIDADANIA

 

 

O Estado tem por obrigação promover política activas focalizadas no reforço dos direitos de cidadania e na elevação do estatuto social e económico dos nossos compatriotas residentes fora de Portugal, bem como no estreitamento dos vínculos de relação cultural e afectiva que os ligam ao nosso país. Um governo do PS irá:

 

Promover uma comunicação mais directa e imaginativa entre o Estado os cidadãos das Comunidades;

Defender nos países da União Europeia os direitos legais de igualdade de tratamento inerentes a condição de cidadania europeia;

Promover a participação cívica e uma integração consequente nos países de acolhimento;

Assegurar melhores condições de operacionalidade e de representatividade para o Conselho das Comunidades Portuguesas, salvaguardando o estrito respeito pela sua natureza consultiva e pela sua condição de expoente da democracia participativa.

In Portal das Comunidades Portuguesas (M.N.E) Portal das Comunidades Portuguesas

Publié dans actualidades, em portugal, meu canto, Non classé, portugal moderno, quem sommos nos | Pas de Commentaire »

Comemorações do centenário de Manuel Tito de Morais

Posté par goalexandre le 2 janvier 2010

TITO de MORAIS

 

 

Comemorações do centenário de Manuel Tito de Morais

 

 

Comemorações do centenário de Manuel Tito de Morais dans actualidades0000250261csupload4576306.png

Manuel Tito de Morais, fundador e ex presidente honorário do PS, faria cem anos

em 28 de Junho de 2010. Para assinalar essa data foi constituída, em Lisboa, a Comissão das Comemorações do Centenário de Manuel Tito de Morais, que reúne mensalmente na sede nacional do partido, no Largo do Rato, para organizar e coordenar as diversas iniciativas que serão levadas a cabo.

A Comissão apela às secções do PS e da JS de todo o país para organizarem os diversos eventos ao longo do ano de 2010 destinados a recordar a figura ímpar

 

de Tito de Morais como fundador do Partido Socialista, antifascista e obreiro da democracia.

 

Manuel Tito de Morais iniciou a sua actividade política aos 16 anos numa greve

estudantil no Liceu Camões. Em 1945, aderiu ao Movimento de Unidade Democrática (MUD) de que seria membro da Comissão Central, tendo sido preso dois anos depois.

 

Despedido do seu emprego por razões políticas, viu-se obrigado a partir para Angola, onde continuou a luta pelos seus ideais democráticos.

Aí seria preso de novo em 1961, quando eclodiu a Guerra Colonial.

Enviado, sob prisão, para Lisboa, seria libertado no aeroporto. De novo sem emprego, dirige-se agora para o estrangeiro.

França, Alemanha, Brasil, Argélia e Itália foram países onde militou activamente nos

movimentos unitários da oposição.

 

Em Roma, como representante da Acção Socialista Portuguesa (ASP) foi o fundador e primeiro director do jornal “Portugal Socialista”, que constituiu uma enorme mais-valia para a organização e mobilização dos socialistas portugueses no interior e exterior, que levaria à constituição do Partido Socialista em 1973, na Alemanha.

 

Após a Revolução de 25 de Abril de 1974, Manuel Tito de Morais empenhou-se na

organização interna do Partido Socialista e, em 1975, foi eleito deputado por Viana do Castelo à Constituinte.

Foi deputado durante várias legislaturas e presidente da Assembleia da República em 1983/84, com um intervalo durante o VI Governo Provisório e o I Governo Constitucional, em que desempenhou as funções de secretário de Estado da População e Emprego.

 

Toda esta actividade decorreu a par de uma grande militância partidária nos diversos órgãos dirigentes do partido, sendo presidente do PS entre 1986 e 1988 e depois presidente honorário até à sua morte em 1999.

Os camaradas interessados em participar e colaborar com a Comissão poderão contactar Carolina Tito de Morais – 960477657  – ctitomorais@sapo.pt e Maria José Gama 966081997 – mjcgama@gmail.com.

In – Acção Socialista – R.S.A.

Publié dans actualidades, cultura portuguesa, em portugal, formaçao militantes, historia du ps português, meu canto, portugal moderno, quem sommos nos | Pas de Commentaire »

espace lusophone a paris 75020

Posté par goalexandre le 2 janvier 2010

 

http://www.facebook.com/espacelusophone?ref=mf

A MINHA PATRIA E A LINGUA PORTUGUESA (MA PATRIE EST LA LANGUE PORTUGAISE) – Fernando Pessoa

 

 

Lieu de résidence :
160 BD CHARONNE – 75020 , Paris, France

Originaire de :
160 BD CHARONNE – 75020 PARIS, Paris, France

Site web :
http://www.surunrdeflora.fr

Publié dans actualidades, folclore nosso, historia du ps português, meu canto, Non classé, portugal moderno, quem sommos nos | Pas de Commentaire »

jumelage des sections socialistes portugal et france

Posté par goalexandre le 2 janvier 2010

http://www.facebook.com/group.php?gid=130706883375

portugueses franceses socialistas o nosso combatte e commun entao vamos là unir as nossas forças e intelengencias collectivas face ao capitalismo selvagem

français portugais socialistes notre combat nous est commun alors unissons nos forces nos intelligenses collectives face au capitalisme exploiteur et sauvage

tu est socialiste tu vis en France tu connais des socialistes au portugal et en france

es socialista vives en frança ou em portugal entao vamos
organizarmos para nos conhecer melhor

ce groupe est constitué pour que nous nous groupions afin de creer des liens entre les sections de nos deux pays

este grupo foi creado par que os socialista franceses e portugueses se conhecem

l’idée est de faire un jumelage entre sections socialistes afin de mieux nous connaitre et partager nos idées

a ideia é de fazer um jumelage entre as secçoes socialistas de vila a vila ou outra forma em portugal e en frança (lire moins)

Publié dans actualidades, em portugal, meu canto, Non classé | Pas de Commentaire »

MARIO SOARES UM SOCIALISTA DE SEMPRE CONTINUA SUA OBRA APOIANDO SOCRATES VIVA O SOCIALISMO

Posté par goalexandre le 23 août 2009

 

Partido Socialista Português  - Secção de Paris

 Paris é a terceira cidade de Portugal

 

É por Paris ser a terceira cidade do Mundo onde residem mais Portugueses, e que muitos milhares são Socialistas, que a Secção de Paris do Partido Socialista Português decidiu abrir este site, para os informar e os acolher. Aqui saberão as últimas noticias e informações de politica geral, as novidades sobre os nossos trabalhos e projectos, à medida que estes forem avançando, bem como as datas das nossas reuniões e as moradas das reuniões públicas, para as quais estão desde já convidados.

A cidadania e a política andam de mãos dadas e ambas fazem parte do dia a dia de cada cidadão.

 

Esperamos o vosso contacto! 

Aguardamos a vossa visita!

 

 

Mensagem do Secretário Coordenador da Secção de Paris:

 

Caros camaradas e amigos,

 

Aqui estamos nós em férias, bem merecidas por todos, não me atrevo a pôr dúvidas.

A Secção de Paris também está de férias, tanto mais que a grande maioria dos nossos militantes e amigos fizeram como os demais, foram para a praia…

É por isso que este Site vai ficar à espera que todos voltem (principalmente o Web master…), para vos abrir de novo a montra socialista cheia de novidades com melhores cores, refiro-me ao bronzeado, claro está.

Espero que se repousem, que se divirtam e que não façam excessos.

Ao voltar vai haver muito que fazer para os militantes desta secção: temos as tarefas distribuídas, muitos simpatizantes  à nossa espera e… eleições.

É bom saber que esta secção cresceu 30% desde que foi eleita (Fev. 2009), mas que ainda estamos muito longe do objectivo e que para o atingir devemos crescer muito mais.

Boas férias, boa viagem e até à volta.

A todos envio as melhores saudações socialistas.

Aurélio Pinto

 

Tome nota:

 

Dados os escassos meios que são os nossos, simples Site de uma Secção das Comunidades, não nos será possível  publicar todas as informações que o nosso Partido vêm e irá divulgando à medida que as eleições legislativas se aproximam.

 

Por esta razão limitar-nos-emos a publicar exclusivamente todas as informações que digam respeito às Comunidades às quais tenhamos acesso.

 

Aceitamos contributos, quando correctos e identificados, para que quem no-los enviar possa assumir a responsabilidade da sua publicação.

 

MARIO SOARES  UM SOCIALISTA  DE SEMPRE CONTINUA SUA OBRA APOIANDO SOCRATES VIVA O SOCIALISMO  dans actualidades 

 

Esperamos assim abrir uma tribuna aos candidatos do      nosso Partido no caminho da  Vitória  que esperamos no dia 27 de Setembro.

Aurélio Pinto, Secretario Coordenador da Secção de Paris

 

Vamos Ver:

 

 dans cultura portuguesaComo apoiar o PS

História do PS

Socialistas de Portugal e do Mundo

Site oficial do PS Português

História do25 de Abril de 1974

Comemorações do centenário de Manuel Tito de Morais

António Costa

Como aderir ao PS

 

Próximas  reuniões :

 

Setembro       

               -    dia 12 – Reunião do Secretariado. 

Outubro        

                -    dia    3 – Reunião do Secretariado alargada (militantes e convidados).

                -    dia  31 – Reunião do Secretariado.

Destaque:

 

O programa do PS e o futuro

 

 dans em portugal

Um programa de Governo vale o que vale. Pouca gente o lê, como todos sabemos. Mas representa um compromisso, que é uma garantia importante para os eleitores, relativamente à futura governação. Garantia que pode ser invocada, a qualquer momento, e lembrada pelos eleitores àqueles que o subscreveram, para os obrigar a cumprir. Se assim não for, utilizam-no contra o Governo, no fim da legislatura, com a arma do voto e, todos os dias, com as críticas fundamentadas que entenderem. É uma regra importante da alternância democrática, própria das democracias pluralistas e pluripartidárias.

Foi, por isso, significativo que o partido que apoia o Governo actual, o PS, se tivesse antecipado a apresentar o seu programa, intitulado « Avançar Portugal: 2009-2013″. Foi o primeiro partido que o fez. Tendo em vista um período de tempo que se prevê extremamente difícil e complexo – de crise global declarada – que teremos de encarar de frente e superar, tão rapidamente quanto possível. Ora isso depende de nós todos, cidadãos portugueses e europeus, e, desde logo, das escolhas eleitorais que tivermos ou não a sensatez de fazer: nas próximas eleições legislativas, de longe as mais importantes, nas autárquicas, ambas ainda em 2009 e, depois, nas presidenciais, em 2010. Eleições todas elas decisivas, cujas escolhas devem ser orientadas em função da crise que importa fazer tudo – e bem – para ultrapassar.

O programa apresentado pelo PS está, com efeito, voltado para o futuro. Começa logo com a introdução, que contém cinco pontos. São eles: 1. Um programa de ambição para o futuro; 2. Uma atitude de confiança, determinação e iniciativa; 3. O progresso que o País fez; 4. A recuperação económica, interrompida pela crise internacional; 5. Prioridades claras para o futuro.

No entanto, cruzam-se nesta introdução, que se espraia por sete páginas, em letra miúda, duas ideias-força: uma visão do que deverá ser o futuro, com vista a vencer a crise, talvez demasiado sintética; e uma certa defesa do que foi o progresso realizado pelo País sob o Governo do PS, ao longo dos últimos quatro anos, que agora terminam. Ora esta última ideia é obviamente polémica e só passada a poeira do tempo poderá ser analisada com perfeita objectividade. Não é o momento de discutir o passado, porque o que interessa agora à maioria dos eleitores é que garantias lhe são oferecidas para o seu próximo e incerto futuro.

É verdade que é humano que quem fez um esforço imenso para equilibrar as contas públicas, reformar práticas obsoletas, modernizar o País (como é o caso da introdução dos computadores nas escolas), promover as energias renováveis, lutar pela Segurança Social, quando a direita só falava na sua insustentabilidade e pensava em privatizar os serviços públicos e o que restava da banca (como a Caixa Geral dos Depósitos), entre outros exemplos, goste de se defender da avalanche de críticas que os partidos da oposição, sem excepção, e alguns sindicatos, todos os dias lhes fazem, em alguns casos injustas. É certo. No entanto, isso representa deslocar o debate para o passado, no pior momento – o que é um erro – quando o eleitorado exige sobretudo que seja discutido o seu futuro próximo, que, como é natural, vitalmente lhe interessa…

Sucede que o PS é porventura o partido que tem maior tradição e melhores ideias para vencer a crise. Por ser socialista e de esquerda, num momento em que o neoliberalismo da direita se desacreditou em todo o mundo. Com efeito, já ninguém fala em menos Estado e mais privatizações. Pelo contrário: agora pede-se mais intervenção do Estado e mesmo nacionalizações, pelo menos em relação aos bancos e às empresas tecnicamente falidas. Até o Presidente Sarkozy, político típico da direita francesa, em discurso solene, feito em Versalhes, preconizou a eliminação dos paraísos fiscais. E o Papa Bento XVI, na sua última encíclica, regressou ao pensamento de Leão XIII da Rerum Novarum e proclama a necessidade de contar com as pessoas (e não com os negócios ou o dinheiro), bem como de reduzir radicalmente as desigualdades sociais, como forma de combater o desemprego e a crise.

Em Portugal, o PS bateu-se sempre pelo reforço da Segurança Social, pela luta contra a pobreza, pelo Serviço Nacional de Saúde, que foi criado por um Governo PS, pela defesa dos trabalhadores mais desfavorecidos, pela entrada na CEE e pela adesão ao euro. Aliás, o prof. doutor Ricardo Reis, português doutorado pela Universidade de Harvard e actual professor de Macroeconomia na Universidade Columbia, em Nova Iorque, num ensaio publicado recentemente em exclusivo pelo jornal i, demonstrou que o maior aumento do despesismo público foi obra dos governos do PSD, em coligação com o CDS, presididos por Durão Barroso e Santana Lopes.

É perfeitamente natural que assim tenha sido, pelas políticas e a ideologia de direita que sempre têm orientado, tanto o PPD/PSD como o CDS-PP, apesar das diferenças que caracterizam cada um deles.

Ora, a escolha eleitoral que se põe aos portugueses, nas próximas legislativas, situa-se, quer gostemos ou não, na alternativa entre o PS e o PSD (este último, em coligação ou não com o CDS-PP). Não se trata de ignorar nem de menosprezar os outros partidos, que representam sectores importantes do eleitorado. Mas tão-só de ter em conta, realisticamente, a relação de forças partidárias actuais. Com uma agravante, em tempo de crise mundial e de grandes dificuldades: é que o povo português sociologicamente é de esquerda. Não o devemos ignorar. Que paz nas ruas haveria, em tempos tão difíceis, com um Governo instalado de direita e, para mais, com um presidente oriundo do mesmo sector político?…

Acresce que as sondagens – que também valem o que valem, sempre o tenho pensado – dão, neste momento, um empate técnico aos dois maiores partidos: PS e PSD. Com uma diferença essencial: o líder do PS continua a ser o líder mais popular de todos os líderes partidários; e a líder do PSD continua a permanecer no mais baixo da escala, no que se refere à popularidade comparada dos líderes. O que sugere duas coisas: que nem sempre é rentável a concentração excessiva dos ataques numa mesma pessoa; e que nem sempre o silêncio prolongado é de ouro ou a ausência de palcos polémicos é pagável…

Seja como for, há ainda cerca de 20% de indecisos, segundo as mesmas sondagens. Muita coisa está em aberto. Os partidos não podem – ou não devem – entrar em férias. Nem, em meu fraco entender, abusar do marketing eleitoral via televisão. Os espectáculos políticos, em tempos de penúria, chocam. Não falem do passado. Debatam o futuro. Combatam o pessimismo de muitos quanto ao futuro de Portugal, que, tendo em vista o que vai pelo mundo, representa um erro inaceitável. Prefiram o contacto com as pessoas, em pequenos grupos. Oiçam. Aceitem as críticas. E digam, com clareza, o que pretendem fazer por Portugal, as ideias que os animam, os valores que prezam, como vêem a Europa do futuro, para sair da crise e no pós-crise, a importância da lusofonia e o futuro da CPLP, não só como comunidade de defesa da língua, mas como espaço de solidariedade política, económica, cultural e científica. Discutam o que representa Obama na política mundial e como devemos reforçar os laços que nos unem à nova América. Todos sabemos que há um novo paradigma global que está em construção. Queremos ou não alinhar com ele?

É por aí, penso, que se pode – e deve – mobilizar o eleitorado português. Ignorando as polémicas e o que se fez ou errou no passado. Voltando-nos resolutamente para o futuro, invocando os nossos valores ideológicos e integrando-nos na nova esperança que a superação da crise nos suscita.

In DN, Por Mário Soares – 04/08/2009

Publié dans actualidades, cultura portuguesa, em portugal, historia du ps português, meu canto, portugal moderno, quem sommos nos | Pas de Commentaire »

Posté par goalexandre le 22 août 2009

Publié dans em portugal, Estatutos do Partido Socialista, formaçao militantes, historia du ps português, meu canto, Non classé, quem sommos nos, videos importantes | Pas de Commentaire »

Posté par goalexandre le 22 août 2009

Publié dans cultura portuguesa, meu canto, Non classé, quem sommos nos, videos importantes | Pas de Commentaire »

12345...8
 

Reg 68! Le blog de Régis Ba... |
Blog Officiel de Martine VA... |
Mouvement Humaniste Algérien |
Unblog.fr | Créer un blog | Annuaire | Signaler un abus | Politiquement
| Le Parti de la France en Li...
| Commission du Développement...